#3_174 Na nossa ignorância

Na verdade, sei que assim é; porque, como pode o homem ser justo para com Deus? Se quiser contender com ele, nem a uma de mil coisas lhe poderá responder.
Jó 9:2‭-‬3 ARA
https://bible.com/bible/1608/job.9.2-3.ARA

Nada sabemos a respeito de muitas coisas. Por isso precisamos ter humildade para com Deus. Como um adulto em relação a um bebê, somos completamente inexperientes a respeito da eternidade do Senhor. Como discutir com Ele a respeito de nossa criação? Nossa constituição? Das mazelas da vida? Da maldade que reina à nossa volta?

Na soberania divina precisamos reconhecer sua majestade e poderio. Não devemos confiar na nossa pequena experiência de vida para julgarmos a Deus em sua sabedoria. Por que, então, costumamos fazer isto? Somos teimosos em acreditar que já sabemos o bastante, e isto é pura vaidade.

Nestas horas é que devemos nos humilhar diante de Deus e buscar ouví-lo, não para experimentá-lo, mas para sermos edificados pelas suas misericórdias. Deus possui atributos revelados pessoalmente e não há quem não possa conhecê-lo em algum grau de medida. Nisto há sabedoria, que no ajuntamento dos que o buscam teremos uma melhor compreensão da vida.

As diversas manifestações de Deus nos revelam características que não devem ser isoladas. Deus não é só amor, nem só justiça e nem só misericórdia. Ele É isto e muito mais e não conseguimos entender o quadro geral justamente porque não temos capacidade para isto. Somos limitados no tempo e no espaço enquanto ele não. Nada pode um círculo entender de uma esfera a não ser a sua circunferência. Mas a circunferência é apenas um atributo revelado no papel em 2 D.

Que possamos nos submeter ao que conhecemos de Deus e buscar conhecê-lo cada vez mais. Nisto não erraremos, mas nunca atingiremos a plenitude do conhecimento. Ainda assim será proveitoso porque estaremos no caminho certo. E isto conta para Deus. Se assim não fosse Ele não se preocuparia em se revelar à nos. Cristo é o que conseguimos conhecer de Deus, a revelação para a humanidade a respeito da justiça e do amor divinos.

Prossigamos em conhecer Jesus e caminhar em seus passos. Viveremos o melhor de nossas vidas e estaremos glorificando o Senhor. Em Cristo somos transformados a cada dia para atendermos ao chamado divino. Não estaremos discutindo, mas obedecendo. No Senhor Jesus seremos edificados a verdadeira imagem e semelhança de Deus!

#3_170 A igreja e a política

Ora, antes disto, Eliasibe, sacerdote, encarregado da câmara da casa do nosso Deus, se tinha aparentado com Tobias; e fizera para este uma câmara grande, onde dantes se depositavam as ofertas de manjares, o incenso, os utensílios e os dízimos dos cereais, do vinho e do azeite, que se ordenaram para os levitas, cantores e porteiros, como também contribuições para os sacerdotes.
Neemias 13:4‭-‬5 ARA
https://bible.com/bible/1608/neh.13.4-5.ARA

Não é de hoje que a influência política encontra guarida no meio religioso. Importa que os destinos da nação estejam alinhados com a vontade de Deus, mas a igreja não pode se tornar uma sala ou quarto para a política.

O que muda a sociedade são corações transformados. Importa que os políticos estejam voltados para os preceitos divinos e as leis assim serão também. Igrejas não se preocupam com a política, mas com os políticos. São homens e mulheres que precisam de Deus e da sabedoria que vem do alto para trazerem paz e estabilidade à sociedade a que servem.

Há que se manter a separação do governo e religião, sob pena da religião ser contaminada pelo que o governo deseja. Tire-se as Escrituras como o fundamento da moral e da ética e perderemos até o senso de justiça. Sem o parâmetro divino imutável estaremos a mercê de leis que são transformadas e adaptadas às autoridades do momento.

E a igreja, quando adentra a política, acaba por se adaptar aos tempos alterando o padrão de Deus para a sociedade. O sacerdote Eliasibe assim o fez, desfazendo toda a aliança que o povo havia feito por meio de Esdras e Neemias ao retornar do cativeiro. E por que? Para se misturar aos interesses políticos do lugar.

Que nossos políticos possam buscar manter-se em comunhão com suas igrejas, recebendo apoio espiritual e sabedoria de Deus e não querendo forçar os interesses políticos aos que já possuem um Senhor que está acima de todas as nações e partidos! Políticos também servem a nação e muitas vezes terão de tomar posição em temas que as Escrituras condenam, mas a nação deseja para si. Que nestas horas respondam como políticos que não arrastem a igreja para as decisões que contrariam a sã doutrina e assumam seus cargos que buscam atender à sociedade.

Que as igrejas tratem os políticos como todo servo de Deus e os admoeste quando seguirem o caminho de Satanás. Não há como servir ao povo que se desvia de Deus como seu pastor. Políticos não são pastores de almas e pastores de almas não são políticos. Há que se romper com a visão errada do pastor político. Ali no governo são autoridades governantes do povo e não pastores de almas para o Senhor.

Quem deseja ser pastor que permaneça na igreja. Quem deseja ser político que não sirva no púlpito da igreja. O governante se submeteu à autoridade humana do governador e da sociedade, devendo seguir as leis e o partido a que se filiou. E estes não necessariamente estão alinhados aos preceitos divinos. Erra quem acredita que conseguirá permanecer ali sem ceder às leis a que se submeteu.

A igreja Cristã é contra o aborto, a corrupção, ao relacionamento sexual de pessoas de mesmo sexo e tudo o que as Escrituras nos dizem ser pecado. A sociedade pode pensar diferente e cabem aos políticos discutir e legislar sobre estes assuntos. Portanto, que em nossas igrejas possamos apoiar os políticos que se alinhem aos preceitos Bíblicos, mas que estes não estejam à frente da igreja. Que oremos por todas as nossas autoridades, para que a vontade da nação se alinhe com a vontade de Deus!

#3_168 Construindo comunhão

Se um reino estiver dividido contra si mesmo, tal reino não pode subsistir; se uma casa estiver dividida contra si mesma, tal casa não poderá subsistir.
Marcos 3:24‭-‬25 ARA
https://bible.com/bible/1608/mrk.3.24-25.ARA

Alinhamento de propósitos exige um alinhamento de pensamentos, doutrina e ações. Isto não se consegue rapidamente e nem à distância. Ainda assim é difícil porque cada um de nós possui diferentes experiências e captura o contexto de maneira diferente. Como então alinhar nossos propósitos? Na comunhão com os irmãos e familiares através do Espírito Santo.

Nas igrejas podemos obter esta comunhão, mas exigirá perseverança e sensibilidade ao Espírito Santo. O que muitas vezes acontece é a ausência da paciência para que entremos no mesmo entendimento ou a resistência ao próprio Espírito Santo. Ouví-lo e não atendê-lo é danoso, pois a vaidade de um pode destruir a comunhão em construção de maneira bem rápida.

Ministérios são arruinados por isto, bem como famílias. Casa também significa casamentos e importa termos também a noção de amadurecimento individual e de autoridade espiritual. Enquanto não há consenso deverá prevalecer a autoridade. No entanto esta autoridade deve estar à serviço do grupo e não de si mesma.

Erra os que transformam a autoridade em autoritarismo tratando os demais como menos esclarecidos ou amadurecidos e chamando para si mesmo um supremo poder para resolver todas as coisas. Líderes e maridos podem cair neste erro e destruir todas as vantagens de uma comunidade em construção. Precisamos ouvir a todos, pois Deus distribuiu os dons e responsabilidades entre a comunidade.

Unidade de propósito faz com que grupos sejam eficazes. Famílias e igrejas estruturadas na vontade de Deus transformam suas comunidades. Do contrário destruirão a si mesmas. Cristãos estão à serviço uns dos outros, não importando o cargo ou função. Cristo veio para servir e nós também. O autoritarismo só serve a si mesmo e impede que haja a verdadeira comunhão. Precisamos saber ouvir as pessoas, pois todos importam e não há quem não possa nos ajudar sob a direção de Deus!

Se quisermos ter famílias bem sucedidas precisamos construir um ambiente de respeito e diálogo. O mesmo se aplica à igreja. Para tanto precisamos investir tempo nos relacionamentos e na formação dos indivíduos. Ninguém nasce pronto e a melhor maneira de alinharmos pensamentos é no ensino. Que as Escrituras sejam o nosso Norte e Cristo o nosso Senhor. Nisto estaremos construindo a base para que nossas casas e igrejas não sejam derrubadas por nossa própria vaidade!

#3_158 Deus gosta dos filhos unidos em torno da mesa!

E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações.
Atos 2:42 ARA
https://bible.com/bible/1608/act.2.42.ARA

Em épocas onde o home-office está sendo defendido com unhas e dentes também há um movimento tentando justificar a permanência de Cristãos que participam de igrejas apenas de casa. Uma coisa é isolamento social por causa de pandemia, outra é achar que podemos crescer no entendimento de Cristo dando likes em mensagens por YouTube, conversas em chats de WhatsApp e fotos de Instagram.

Há igrejas que se reúnem em casas e outras que se reúnem em prédios, mas no metaverso a coisa é diferente, pois as pessoas não estão verdadeiramente em comunhão conosco. O risco de se associar a pessoas, ir até onde se encontram, comerem juntas faz com que muitos usufruam da “segurança” de seus lares.

Mas a demanda do Evangelho vai além do potencial da tecnologia que as coloca no mesmo ambiente virtual. Não posso fazer tudo o que o Evangelho exige de mim no metaverso, embora possa fazer grande parte de maneira até eficiente!

Também não podemos achar que ir até a reunião fisicamente me torna um bom praticante. Exige participar da vida, seja nas alegrias ou tristezas, nas atividades, no servir ao próximo. Ir e se sentar na cadeira sem se comprometer em servir, sem conhecer pessoas, sem ser conhecido por elas, pode ser tanto realizado no meio físico como no metaverso. E não é isto que esperamos que aconteça.

Igreja persevera no conhecimento de Cristo, em orar juntos, em comer juntos e em estar juntos. O comer juntos faz mais diferença do que possa parecer inicialmente. Quem vai em conferências sabe o valor do coffee-break! É a hora de trocar cartões e expor o que está desenvolvendo. Nada substitui um encontro informal no meio de uma reunião.

Ainda que reuniões virtuais sejam aprimoradas com avatares e salas especiais para reproduzirmos tais características não estaremos necessariamente desenvolvendo o serviço ao próximo, o olhar silencioso de compaixão ou enxergar o milagre da oração diante de nós. A tecnologia é boa para nos aproximar ou afastar, ajudando na formação e na estruturação de times. Mas, nada substitui o relacionamento pessoal que nos torna o que somos.

Creio que a tecnologia irá desenvolver meios até de nos abraçarmos virtualmente e não está nada longe disto, e será uma solução para os que estão distantes e não podem viver juntos. Mas, por que tornar isto normal se moro na mesma cidade ou bairro? Temos medo de andarmos juntos? O medo não aperfeiçoa e nos impede de nos aceitarmos como somos.

O perigo da igreja virtual é vivermos apenas na zona de conforto, sem enfrentamentos as dificuldades que naturalmente são geradas no convívio físico. Sem tais coisas não podemos garantir que amamos de verdade. Cuidemos para que um Home-Church onde ficamos ligados virtualmente não seja a única maneira de nos conectarmos às nossas igrejas. Deve ser um incremento de possibilidades no servir, mas não um substituto da nossa atividade para o Senhor.

Cultos são feitos para nos reunirmos e cultuarmos juntos a Deus. Pela internet não ouvimos as demais pessoas à nossa volta, não enxergamos os rostos marejados de lágrimas. Os cânticos entoados sem estarmos no meio do povo não nos toca da mesma forma e acabamos por não estarmos conectados no Espírito Santo na mesma intensidade. Ainda que nos alimentemos de uma boa pregação estará sendo para nós e não é o único objetivo do culto que é feito para Deus.

Que possamos olhar da perspectiva do Pai que gosta de reunir em sua mesa os seus filhos e não ficar falando com eles em separado pelo telefone! Como Ele gosta de olhá-los unidos para louvor e adoração da Sua presença! O metaverso é bom, mas que seja usado em complemento e não como substituto!

#3_83 João 17:17-19

Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade.  Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo.  E a favor deles eu me santifico a mim mesmo, para que eles também sejam santificados na verdade.

João 17:17-19

Jesus é o verbo, a verdade e nos traz a santificação através dele mesmo. No conhecimento da palavra de Deus somos convencidos de nossos pecados e, através do exemplo de Cristo, temos um caminho a seguir.

Importa-nos conhece-lo, praticar sua verdade e permanecermos nela. Grande ajuda temos ao caminharmos juntos por este caminho. Sozinhos é difícil e penoso, mas em comunhão com o corpo de Cristo vencemos e permanecemos unidos pelo Espírito Santo.

Enviados ao mundo através do poder do evangelho, unidos por um propósito, cuidados pelo Senhor. Não há prazer maior!

#3_82 Permaneçamos na videira verdadeira!

Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. João 15:5

O fruto é consequência da saúde do pé de onde provém e não de si mesmo. Cristo nos lembra que sem o pé o fruto não existe, não se sustenta e não tem como ter crescimento. Assim ele nos compara a ramos de vários tipos que, conectados à videira, produzirá muito fruto.

Ainda assim ele nos alerta que o ramo que não produz é cortado. Como não produzir se estaríamos conectados ao corpo de Cristo? Justamente por não recebermos o alimento através do corpo. Muitos hoje acreditam que estar fora de uma igreja é melhor do que estar dentro. Na verdade o que ocorre que há igrejas que não são igrejas de Cristo.

Esta passagem nos revela que o amor é a fonte do conhecimento do discipulado em Cristo e não há desenvolvimento do amor estando isolados do corpo e do mundo. Já falamos sobre os que deixaram igrejas para não perderem a fé por causa de situações adversas no meio da assembleia, mas existem questões que exigem perdão e outras que nos revelam a verdadeira natureza da assembleia em que estamos vivendo.

O corpo de Cristo ama e produz amor. Não é lugar de produzir medo ou estabelecer ditaduras religiosas ou mesmo um clube de amigos de Cristo, mas um lugar onde pessoas que foram resgatados por Cristo crescem juntas em santificação e amor. Onde o amor de Cristo não é vivido não há igreja de Cristo e, portanto, estamos desconectados da videira verdadeira.

Não nos enganemos, há muitos falsos mestres e falsos pastores, ainda que conheçam a palavra e sejam constituídos líderes em suas denominações. Pelo fruto conhecereis a árvore diz o Senhor. Ele julgará o fruto de cada um de nós e cabe aos seus seguidores reconhecer o Senhor em nossos caminhos. Não adianta se ligar a um ramo desconectado de Cristo!

A Igreja será julgada antes do mundo, como estabelecido no livro de Apocalipse. Cada igreja observe como anda diante do Senhor. Ele está alertando a cada uma segundo o seu procedimento. Nós somos a igreja, cada um que se conecta a uma assembleia em nome de Cristo.

O que temos produzido? Fruto digno de arrependimento? Confusões? Edificamos pessoas ou as empurramos para fora da igreja? Estamos conectados na videira? Que o Senhor, em sua misericórdia, nos limpe e nos encha de sua seiva maravilhosa. É tempo de vivermos para o Senhor e isto significa estar ligado em seu corpo, em sua palavra, em sua assembleia!

#3_49 João 20:30-31

Na verdade, fez Jesus diante dos discípulos muitos outros sinais que não estão escritos neste livro. Estes, porém, foram registrados para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome.

João 20:30-31

Os evangelhos foram escritos para que creiamos que Jesus é o Cristo, o messias prometido e nele coloquemos nossa fé para a salvação. Não há outro motivo para o qual os evangelhos foram escritos! Sem a fé em Jesus continuaremos mortos em nossos pecados. Sem crermos que Jesus é o Filho de Deus e que constituiu na Terra sua Igreja, não partilharemos de seu legado, a herança de filhos de Deus.

Sem a fé em Cristo não há diferença no nosso viver. Por mais que queiramos nos edificar a nós mesmos, não passará de vaidade de nossa parte. Quando somos edificados por Deus, a glória é dele e para ele. Quando a graça de Deus age em nós recebemos também sua justiça. Não há justiça própria no homem.

Sem Deus em nós permanecemos no desejo do pecado, da corrupção, da violência e do erro. É a presença de Deus em nós que nos afasta do mal. E não há presença de Deus onde queremos fazer por nossas próprias forças. Podemos externamente mostrar algum bem, mas no interior permanecemos mortos em nossos desejos de poder ou exaltação própria.

Crer em Cristo é colocar sobre ele nossos pecados e receber dele a nossa salvação. Não crer é crucificá-lo e não morrer e ressuscitar com ele. Não crer é ignorar a graça de Deus. É não ter o Filho e, portanto, não ter o Pai! Receber a Cristo como Senhor é poder se tornar filho de Deus, coerdeiro com Cristo, e a vida eterna com Deus! A vida está em Cristo, em seu nome!

Isolamento espiritual não aperfeiçoa!

O ferro se afia com ferro, e uma pessoa, pela presença do seu próximo.
Provérbios 27:17 NAA
https://bible.com/bible/1840/pro.27.17.NAA

Ser cristão vivendo isolado do mundo é não ter oportunidade de expor-se nas situações do dia-a-dia. É dizer que se é campeão sem entrar no ringue, é declarar-se forte sem fazer força. Muitos se isolam por acharem que assim estão se santificando, mas a verdade é que estão apenas preocupados em não pecar. É mais fácil dizer que somos puros vivendo isolados do que no meio das situações cotidianas onde teremos de resistir às tentações.

Ser um peregrino é diferente de ser um heremita. Peregrinos vivem no meio das pessoas sem pertencer ao lugar, enquanto heremitas vivem longe das pessoas procurando o lugar onde se esconder melhor. A verdade é que o evangelho é viver para Cristo evidenciando o reino. É ser embaixador da graça de Deus para os povos.

Portanto, ser cristão é viver no mundo sem pertencer a ele, é aprendendo a não pecar tendo a oportunidade de faze-lo, perdoando e sendo perdoado pelos erros cometidos. Cristão aprende a amar quem se torna seu inimigo, aprende a ser humilde e reconhecer seu erro quando peca contra alguém e é este processo que traz o verdadeiro crescimento em santidade.

Cristo é o maior exemplo por ter permanecido sem pecado em nosso meio. É o nosso padrão de conduta a ser alcançado. Viveu entre nós para evidenciar o Pai e sofreu nas mãos de quem deveria tê-lo amado. Foi rejeitado pelos seus, mas decidiu obedecer até a morte de cruz.

Faz parte da vida cristã vivermos em comunidade. Assistir cultos pela internet e ouvir sermões online sem participar do corpo de Cristo não é a melhor forma de sermos discípulos do mestre. Pode ser necessário em tempos de pandemia, mas não é o meio pelo qual devemos passar a viver. Que seja o menor tempo possível e voltemos à viver em comunhão com a igreja e com o nosso próximo.

É justamente nos momentos difíceis onde daremos o testemunho de fé, da graça e do amor. É assim que podemos ser sal e luz para o mundo. Sal guardado em vidro não serve para nada além de absorver água e estragar. Lâmpada acesa dentro de gaveta fechada não serve para ninguém enxergar o conteúdo.

Sem convivermos com as pessoas não aperfeiçoaremos e nem seremos aperfeiçoados. É na dificuldade gerada pelos relacionamentos que a verdadeira santidade é desenvolvida e daremos o verdadeiro testemunho de Cristo Jesus para o mundo!

Ano 2#357

Cristo é o noivo!

Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação. Pois nele foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas. Nele tudo subsiste. Ele é a cabeça do corpo, que é a igreja. Ele é o princípio, o primogênito dentre os mortos, para ter a primazia em todas as coisas.
Colossenses 1:15‭-‬18 NAA
https://bible.com/bible/1840/col.1.15-18.NAA

Pensemos em qualquer coisa ou situação. Cristo é anterior a elas. Ele é anterior a tudo o que podemos pensar. Ele criou todas as coisas e as sustém em seu poder. Nele temos o princípio da criação, o autor da vida e quem tem poder também sobre a morte.

Mas, a morte entrou no mundo pelo pecado. A humanidade é a autora por desobediência. Na lei de Deus está determinado que não se deve matar, mas a morte ocorre porque a maldade do homem traz a luz seus piores desejos. Hoje mata-se porque há ódio, vingança ou necessidade de proteção a outrem ou a si mesmo.

A igreja é o corpo de Cristo na terra, o movimento constituído para que voltemos ao propósito original de nossa criação. É natural, portanto, que aquele que nos criou e sabe o por que de nos ter criado seja o mentor e líder que encabece o movimento de retorno. Somente Cristo, o autor da vida, poderia ser nosso redentor e líder supremo. Não há homem que possa substituí-lo.

Ele deu a vida por nós para criar o caminho da salvação. Está chamando a todos na terra para sermos restaurados, redimidos, justificados e santificados. A igreja é o ajuntamento das pessoas que estão no caminho, sendo Jesus o primeiro, aquele que vai à frente sem deixar os seus para trás! Quem não o segue não está no caminho. Pode ser que esteja caminhando ao lado de alguém que está, mas é necessário entregar sua vida ao Senhor para estar no caminho.

A igreja significa a noiva, o grupo separado para se unir eternamente ao noivo, Cristo Jesus. É necessário que se deseje estar com ele. A igreja não é a preparação para um casamento forçado, mas a de um casamento onde o noivo deu sua vida para que o amassemos, para que o desejássemos, para que não nos arrependêssemos no tempo de espera.

Olhemos para o Senhor, através da igreja. Noivas ornadas para o casamento geram um desejo em outras mulheres para se casarem também. O olhar radiante da expectativa do matrimônio, todo o ritual gera ânimo e também ansiedade, não é verdade?! Assim é a igreja ao amar o noivo. Muitos se unirão no mesmo propósito!

Estamos amando o noivo? Estamos apenas caminhando com quem o ama? Encontramos a verdadeira igreja que vive por amor e expectativa das bodas ou só existe a religiosidade? Cristo é maravilhoso e grande serão as bodas do Cordeiro. Felizes os que se sentarem à mesa porque seus nomes estão escritos no Livro da Vida!

Ano 2#336

Jesus é a realização da promessa da salvação eterna!

De sorte que todas as gerações, desde Abraão até Davi, são catorze; desde Davi até ao exílio na Babilônia, catorze; e desde o exílio na Babilônia até Cristo, catorze.
Mateus 1:17 ARA
https://bible.com/bible/1608/mat.1.17.ARA

Em Mateus temos três ciclos do povo de Israel. No primeiro foi estabelecida a aliança e houve um numeroso crescimentono número de israelitas, sua saída do Egito e estabelecimento na Terra Prometida. No segundo ciclo, um tempo de perda de identidade, onde o reino se dividiu, brigaram entre si e não se converteram de seus maus caminhos. Em ambos os ciclos estavam mais preocupados em viver como as outras nações do que servir ao seu Deus.

Acabaram por ir para o cativeiro babilônico e lá se renderam ao grande Deus de Israel, voltando no terceiro ciclo a se tornarem um povo e a terem a aliança levada a sério. O problema no terceiro ciclo é que não entenderam a mensagem da Lei, preocupando-se mais com a letra do que com o Deus da aliança. Queriam exteriorizar os preceitos, mas estes não estavam em seus corações.

O final do terceiro ciclo é a vinda de Cristo, aquele que trouxe o entendimento de todas as coisas. O Filho revela o plano da salvação e se coloca como o Mediador das promessas de vida eterna. Estamos ainda neste ciclo, pois que o povo não o recebeu como salvador. Assim, há um hiato onde a igreja de Cristo está crescendo para realizar a obra que eles não quiseram realizar porque não creram em Jesus Cristo como o Messias.

Dois mil anos se passaram e estamos para fechar este ciclo, quando então todo joelho se dobrará e toda língua confessará que Jesus Cristo é Senhor. Ainda que em lutas, guerras, dificuldades que sempre existiram, importa que a salvação chegará a muitas vidas porque crerão nas boas novas trazidas em Cristo. O Natal é a promessa da restauração de todas as coisas e ela começa na fé em Jesus!

Ano 2#293