Proclamemos os feitos do Senhor!

O que ouvimos e aprendemos, o que nos contaram nossos pais, não o encobriremos a seus filhos; contaremos à vindoura geração os louvores do Senhor, e o seu poder, e as maravilhas que fez. Ele estabeleceu um testemunho em Jacó, e instituiu uma lei em Israel, e ordenou a nossos pais que os transmitissem a seus filhos, a fim de que a nova geração os conhecesse, filhos que ainda hão de nascer se levantassem e por sua vez os referissem aos seus descendentes; para que pusessem em Deus a sua confiança e não se esquecessem dos feitos de Deus, mas lhe observassem os mandamentos; e que não fossem, como seus pais, geração obstinada e rebelde, geração de coração inconstante, e cujo espírito não foi fiel a Deus.
‭‭Salmos‬ ‭78:3-8‬ ‭ARA‬‬
https://www.bible.com/1608/psa.78.3-8.ara

A humanidade cresce em conhecimento quando os registramos e ensinamos às gerações futuras. A gestão do conhecimento é também uma ciência, pois há que se escrever o que deu certo e o que deu errado e disseminar as boas práticas como lições aprendidas. A Bíblia é justamente um conjunto de livros que ensina a fé em Deus e o que acontece com quem tem fé nEle e com quem não tem esta fé. Como viver nas boas práticos e o que é estar fora delas.

A Palavra de Deus é um legado tão poderoso que apenas o Antigo Testamento manteve uma nação unida em propósito por quase 2000 anos sem ter o próprio território, mas com os mesmos valores, tradições e fé! O Novo Testamento gerou uma infinidade de filhos na fé de Abraão e que servem ao Senhor sendo uma só família em Cristo!

Não importa quanto tempo passe, sendo a humanidade a mesma desde Adão, o que serviu antes continua servindo hoje e servirá amanhã. Recebemos o legado e o passaremos a outros. Somos os mensageiros de nossa geração, mas que a mensagem não seja apenas repetida, mas vivida! Falar de boca para fora não nos transformará, ainda que outros possam ouvi-la e serem bons executores.

Precisamos passar pelo processo e experimentar cada exercício proposto. O primeiro é a fé e depois vem o amor! Sem estes dois não entenderemos o conteúdo e seremos apenas papagaios a repetir coisas desconexas, imitando sons sem lhes entender a motivação e significados. Sons não mudam nosso ser, mas atitudes!

Sejamos fiéis a Deus como Ele é para conosco. Conheçamos os seus feitos e preceitos e os declaremos às gerações futuras. Isto transformará a nós e ao nosso mundo. Se falharmos nisto estaremos nos preparando para vivermos na falta de amor e desconhecimento de Deus, em meio a guerras, fomes e violências. O mundo permanece no caos enquanto desconhecer a Deus e Sua vontade! A escolha é nossa!

Ano 2#8

Preservar uma vida natural é manter-se improdutivo espiritualmente.

Respondeu-lhes Jesus: É chegada a hora de ser glorificado o Filho do Homem. Em verdade, em verdade vos digo: se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, produz muito fruto. Quem ama a sua vida perde-a; mas aquele que odeia a sua vida neste mundo preservá-la-á para a vida eterna.”
‭‭João‬ ‭12:23-25‬ ‭ARA‬‬
https://www.bible.com/1608/jhn.12.23-25.ara

Jesus quis dizer que a sua morte geraria vida em nós. Se ele permanecesse vivo continuaria sendo o Unigênito Filho de Deus, mas por sua morte, transformou-se no Primogênito, nos dando a oportunidade de sermos filhos com ele!

A morte e ressurreição de Jesus foi a semeadura espiritual que se fez necessário em uma terra árida. Jesus aguardou a “abertura dos veios” a partir de João Batista (pregador do arrependimento), tornou-se a semente, e o Espírito Santo é a irrigação. Nossos corações são as terras a serem semeadas.

A terra que não se abre não recebe a semente. Não adianta pedir água se a semente não for depositada. Ocorre que a semente que não penetra no solo queimará na superfície! E “abrir o veio” é o arrependimento de nossos pecados.

Ouvi: Eis que saiu o semeador a semear. E, ao semear, uma parte caiu à beira do caminho, e vieram as aves e a comeram. Outra caiu em solo rochoso, onde a terra era pouca, e logo nasceu, visto não ser profunda a terra. Saindo, porém, o sol, a queimou; e, porque não tinha raiz, secou-se. Outra parte caiu entre os espinhos; e os espinhos cresceram e a sufocaram, e não deu fruto. Outra, enfim, caiu em boa terra e deu fruto, que vingou e cresceu, produzindo a trinta, a sessenta e a cem por um.
‭‭Marcos‬ ‭4:3-8‬ ‭ARA‬‬
https://www.bible.com/1608/mrk.4.3-8.ara

Somos a terra árida, que precisa ser preparada, adubada, semeada, irrigada e colhida. Muitas vezes não desejamos passar pelo processo, pois nos acostumamos a sermos áridos e sem vida. No entanto, este processo permitirá que sejamos frutíferos. Enquanto secos, nada acrescentamos e morreremos secos. Se nos abrirmos à Cristo, seremos abundantes em frutos espirituais.

Só Cristo é a semente. Podemos continuar a receber chuvas sobre nós, mas se não nos arrependermos e nos abrirmos para a semeadura, nunca seremos produtivos. A questão é se vamos ou não receber a semente!

Deus entregou Jesus para todos receberem a semente. Quem a recebe frutificará. Quem não a recebe, permanecerá improdutivo e morto eternamente! Eis porque é necessário nos arrependermos de nossos pecados. Se não reconhecemos que somos pecadores não entendemos que precisamos de um Senhor e salvador e, portanto, não precisamos da semente!

As diferentes situações onde a semente caiu mostram que o mundo busca impedir a semente de crescer em nós e cabe a cada pessoa cuidar de como esta semente será colocada. A explicação da parábola nos ensina que não é só nos arrependermos e recebermos a semente, mas que ela seja depositada e mantida como prioridade em nossas vidas. O descuidar dela é permitir que espinhos venham e a sufoquem.

Há um aspecto muitas vezes ignorado na salvação do homem. Recebemos Cristo porque Deus o enviou por amor. Não fizemos por merecer. A permanência em Cristo é uma atividade conjunta entre o Espírito Santo e nosso espírito. Só os que permanecerem cuidando da semente vão poder colher muito fruto. A palavra nos ensina que nem todos que chamam Cristo de Senhor entrarão no reino (Mateus 7.19-23).

Portanto, se desejamos ser como Cristo, ao nosso tempo seremos semente na vida de alguém e isto será quando estivermos prontos para morrermos para este mundo e vivendo para a eternidade. Os que aqui desejam viver, aqui morrerão. Os que morrerem para este mundo já estão frutificando para o reino definitivo, o espiritual!

Empreendedores do reino ou farsantes?

Chegando, por fim, o que recebera um talento, disse: Senhor, sabendo que és homem severo, que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não espalhaste, receoso, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu. Respondeu-lhe, porém, o senhor: Servo mau e negligente, sabias que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei? Cumpria, portanto, que entregasses o meu dinheiro aos banqueiros, e eu, ao voltar, receberia com juros o que é meu. Tirai-lhe, pois, o talento e dai-o ao que tem dez. Porque a todo o que tem se lhe dará, e terá em abundância; mas ao que não tem, até o que tem lhe será tirado. E o servo inútil, lançai-o para fora, nas trevas. Ali haverá choro e ranger de dentes.”
‭‭Mateus‬ ‭25:24-30‬ ‭ARA‬‬
https://www.bible.com/1608/mat.25.24-30.ara

Muitos se intrigam porque Jesus ora fala de um reino de abundância e outra hora do inferno, onde haverá choro e ranger de dentes, fora dos céus!

A questão acaba sendo simples quando se entende que o reino espiritual é binário, só existindo a situação de salvo e de não salvo. Ou se tem ou não se tem. Ou se é ou se não é. É sim sim ou não não, não havendo tons de cinza. Nada no céu é ambíguo ou indistinguível. Deus já estabeleceu todas as coisas.

Jesus sempre declara o que permite enxergarmos como estamos em relação ao reino de Deus. O evangelho torna-se, portanto, um termômetro espiritual.

Nesta parábola dos talentos o Senhor jesus aponta uma vida de procrastinação e de mau uso dos recursos, dons e ministério de quem os recebeu e não usou à serviço do reino. É alguém que tem uma missão e não a realiza, não entendendo a necessidade e nem o valor daquilo que está em suas mãos.

Havia três servos e cada um recebeu de acordo com a sua capacidade naquele momento. Um recebeu 5 talentos, outro recebeu 2 e este último 1. Um talento era muito dinheiro e podemos dizer que é algo acima de 30 mil dólares em dinheiro de hoje.

Portanto, mesmo o que recebera menos recebeu muito e poderia ter feito muita coisa. Ainda que achemos que um recurso não é muito, conhecemos pessoas que começaram com muito pouco e se transfomaram em pessoas bem sucedidas. Não só isto, mas em Deus buscaram a sabedoria para transformar o pouco em muito como Jesus fez na multiplicação de pães e peixes.

O que nos impede de aplicar um pequeno recurso? Medo de perder o pouco que conquistamos? Esperar o pior a todo tempo nos impedirá de alcançar coisas maiores. Quem olha para o tempo não semeia. Quem espera que a situação melhore para investir já perdeu a oportunidade de auferir maiores ganhos.

Deus confia em nós para empreendermos. Quem não for empreendedor no reino não conquistará muitas coisas e pode até ser que enterre o talento recebido. Esta mensagem é um alerta, para que possamos dar valor a tudo o que obtemos das mãos de Deus. Tanto o que recebeu 5 e ganhou mais 5 como o que recebeu 2 e ganhou mais dois foram recebidos com a mesma satisfação pelo senhor. Cada um faça com o que tem na mão. A fidelidade trará ainda mais oportunidades enquanto a infidelidade nos mostrará que ainda não estamos com o coração no reino, mas fora dele.

Atitudes demostram a nossa condição espiritual. Que cada um examine-se a si mesmo e busque em Deus a transformação que nos traz o Espírito Santo. Sejamos empreendedores do reino de Deus e não servos farçantes que não têm compromisso com a obra do evangelho. Quem tem o Filho tem o Pai e o mesmo compromisso de trazer a salvação ao mundo.

O evangelho é pregado com recursos financeiros. Uns pregam enquanto outros os enviam a pregar. Precisamos cuidar dos feridos, pobres, viúvas e órfãos, de todo tipo de situação. E isto custa dinheiro. Deus é dono de todo ouro e toda a prata e distribuiu no ceio dos seus filhos que estarão multiplicando esta graça sobre outras vidas.

Quem multiplica mais recebe mais. Quem multiplica menos recebe menos e quem não multiplica não entendeu seu chamado e está perdendo tempo! Urge fazermos a obra de Deus! Não sejamos servos inúteis e nem filhos descuidados dos interesses da família. Quem cuida da herança não é só o Pai, mas também os filhos, pois são estes que precisam entender o valor para poderem continuar a desenvolve-la!

A obra de Deus é amor e usar o talento é transforma-lo em atitudes de amor e abençoar vidas. Como multiplicar? Perguntemos ao Senhor que nos deu tanto o querer como o realizar. Cada um terá uma maneira de fazer, segundo a orientação de Deus!

Não devemos procurar a riqueza para nós, mas a riqueza que produz bençãos para muitos. Isto poderá nos tornar até ricos, mas nosso coração não estará nas riquezas deste mundo, mas do vindouro. Portanto, não temamos a riqueza se estamos multiplicando no reino! Quem assim faz é servo e será recebido nas moradas eternas, seja rico ou pobre na terra, pois é rico para com o Senhor!

As respostas estão todas em Cristo! Pergunte a ele!

Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo caminho, mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos.”
‭‭Isaías‬ ‭53:6‬ ‭ARA‬‬
https://www.bible.com/1608/isa.53.6.ara

As boas novas do evangelho significam que a salvação e sua manutenção não dependem do que fizermos, mas do que Cristo fez por nós! Ele já fez! Carregou sobre si as nossas iniquidades!

A maior dificuldade nossa é justamente compreender a graça de Deus! A ação do Espírito Santo na vida dos homens nos capacita a vivermos pelo amor, gratidão e fé. A identidade cristã permite nos enxergarmos como filhos de Deus, herdeiros de Deus, co-herdeiros de Cristo, a imagem e semelhança de Deus.

Isto foi possível porque Jesus nos trouxe de volta ao estado de religamento espiritual com Deus. Sem o Espírito Santo continuamos longe de Deus, incapazes de nos relacionarmos com Ele, de adora-lo como Ele merece, e nos sentindo impotentes ainda que consigamos realizar boas obras.

A tristeza que podemos sentir na tentativa de agradar a Deus é a mesma de um filho que busca agradar ao seu pai achando que será amado apenas se fizer desenhos, tirar boas notas ou se sair bem nas atividades do dia-a-dia. Um verdadeiro pai ama seus filhos independentemente de desempenho. Ama porque vieram de si, da sua semente!

Não amar a própria semente é não amar a si mesmo. Deus nos ama também porque Ele é amor e estabeleceu todas as coisas em amor. Assim, no plano de Deus deveria haver a oportunidade de restabelecer a comunhão eterna. Em todos os tempos temos relatos da revelação de Deus aos homens, fosse pela natureza, por doutrinas recebidas do alto ou aparições sobrenaturais de Deus.

Todas, no entanto, precisam ser confirmadas por Deus através do Filho. Jesus encerra em si todas as demandas por revelações de Deus para os homens. Nenhuma delas é superior ao sacrifício que nos traz a reconciliação com Deus. Em nenhuma outra revelação há o perdão eterno ou a possibilidade de vivermos com Deus pelo que Ele fez por nós!

Assim, o evangelho de Cristo nos traz o perdão e o Espírito de filiação que nos move a vivermos como Jesus viveu entre nós. É uma caminho sem volta, caminho de transformação, uma vereda para a luz divina, a percepção das verdadeiras prioridades, da alegria eterna, da consumação das coisas temporárias, a edificação de um querer viver em adoração e harmonia com toda a criação.

Não são necessárias várias passagens espirituais pela Terra, ou pagar dívidas espirituais adquiridas pelo pecado, ou experimentar cadeias espirituais eternas porque fizemos ou não por merecer. Nada disto importa quando recebemos o perdão em Cristo! Ele gerou o perdão em si mesmo, somos perdoados e justificados diante de Deus!

Esta é a aliança que farei com eles, depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei no seu coração as minhas leis e sobre a sua mente as inscreverei, acrescenta: Também de nenhum modo me lembrarei dos seus pecados e das suas iniquidades, para sempre. Ora, onde há remissão destes, já não há oferta pelo pecado.”
‭‭Hebreus‬ ‭10:16-18‬ ‭ARA‬‬
https://www.bible.com/1608/heb.10.16-18.ara

E também:

Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte.”
‭‭Romanos‬ ‭8:1-2‬ ‭ARA‬‬
https://www.bible.com/1608/rom.8.1-2.ara

Portanto, se em Jesus Cristo estamos, já não está sobre nós a condenação eterna e não tenho mais de pagar qualquer dívida de pecado. Não há carma e nem obra que me torne digno ou indigno, pois em Cristo somos justificados e nivelados diante de Deus! Esta é a justiça do Pai onde todos somos iguais perante o Senhor. Ou somos pecadores arrependidos e salvos em Cristo ou continuamos apartados de Deus e condenados à morte eterna!

Boas novas é sabermos que em Cristo já temos a solução para a nossa vida espiritual. Nada se compara à sabedoria e à justiça de Deus! Creia no Senhor Jesus e serás salvo!

Não se amarram frutos em galhos para tornar uma árvore frutífera. Por que se espera que fazer boas obras gerem pessoas santas?

Verificais que uma pessoa é justificada por obras e não por fé somente.”
‭‭Tiago‬ ‭2:24‬ ‭ARA‬‬
https://www.bible.com/1608/jas.2.24.ara

Muitas vezes nos pegamos na discussão de como proceder diante do evangelho. Temos o entendimento de que as obras não trazem salvação, mas ao mesmo tempo sabemos que estas mesmas obras são as que serão usadas no dia do julgamento para expor nossa salvação.

Ora, afinal a salvação é ou não dada pelas obras?

A resposta continua sendo não, não é, para que ninguém se glorie ao invés de identificar a graça como a origem de todas as coisas (Efésios 2,8-10).

Uma árvore boa dá bons frutos e a má, frutos ruins. Pelos frutos conheceremos a árvore, diz o Senhor (Mateus 7.17,18).

Portanto, se não formos transformados pela graça de Deus em boas árvores, nunca evidenciaremos bons frutos. Por que a graça? Pois uma árvore nasce da semente de outra árvore! Sem a semeadura, jamais teríamos sido gerados, seja em vida carnal, seja na espiritual.

Ora, se fui gerado, então o meu nascimento se deve a um processo externo que derivou na minha vida! Assim, meu nascimento não é glória minha, mas de Deus!

Portanto, sejamos gratos a Deus por quem somos ou seremos. Sejamos devotados a nos tornarmos árvores de fruto agradável, que gera sementes boas para gerar outras boas árvores. Ainda assim a terra, a luz do Sol e as chuvas são de Deus! Tudo vem dele, é por Ele e para Ele!

Assim, nosso fruto será avaliado em todo tempo, mas o fruto é consequência da qualidade da árvore. Amarre um fruto da Manga no galho de um arbusto e veja se ele se transforma na árvore Mangueira…

Sejamos coerentes com a vida que levamos. Não serão os frutos que nos tornarão salvos, mas a obra do salvo é um bom fruto e estes serão apontados no dia do julgamento.

Alegremo-nos porque Cristo nos enxerta na árvore de Deus para que possamos dar bons frutos! Esta é a nossa parte no Reino, onde poderemos frutificar para a glória de Deus e para a benção dos homens a quem Ele quer bem!

Clamemos a Deus para sermos enxertados na videira verdadeira e possamos frutificar abundantemente em Deus!

Imagem obtida em http://www.plantasonya.com.br/dicas-e-curiosidades/o-que-usar-para-fazer-enxertia.html

Todo tempo é tempo!

O ceifeiro recebe desde já a recompensa e entesoura o seu fruto para a vida eterna; e, dessarte, se alegram tanto o semeador como o ceifeiro.
‭‭João‬ ‭4:36‬ ‭ARA‬‬
https://www.bible.com/1608/jhn.4.36.ara

Semear é distribuir a semente, enquanto ceifar é colher a planta crescida e madura. Jesus compara as pessoas com plantas, e o amadurecimento com o estar pronto para ouvir o Evangelho.

Assim, uma das oportunidades mais gratificantes é o ceifar para o Reino de Deus, ou seja, ajudar pessoas a receberem a Cristo pela fé!

O semeador é o pregador, o evangelista, aqueles que se desgastam apresentando o Reino para as pessoas.

O ceifeiro são aqueles que discipulam, acompanhando as pessoas em suas trajetórias de vida, aproveitando a evangelização já realizada para mostrar o caminho para Cristo.

Nem um nem outro pode fazer a fé brotar ou crescer no coração de alguém, mas o Espírito Santo. Assim, são cooperadores importantes, mas insuficientes.

Entretanto, o Espírito Santo não faz nada pela força, mas emprega homens e mulheres na tarefa do evangelismo. Nem anjos podem faze-lo, mas a Igreja!

Para o Reino de Deus, todo tempo é tempo de semear e de colher. Basta levantar os olhos e observar quem está à nossa volta. Assim é com cada um de nós para receber, semear ou colher!

Estejamos atentos, pois a seara é grande. Se ainda não recebemos Jesus como Senhor, é hora! Se o recebemos, façamos a obra maravilhosa do Evangelho!

É tempo de semear, colher e ser colhido! Louvado seja o nome do Senhor! A alegria é certa!

Devemos ter misericórdia também para quem trabalha para nós.

Senhores, tratai os servos com justiça e com equidade, certos de que também vós tendes Senhor no céu.
‭‭Colossenses‬ ‭4:1‬ ‭ARA‬‬
https://www.bible.com/1608/col.4.1.ara

A Bíblia nos ensina que Deus vê tudo e a todos. Temer a Deus é, em primeiro lugar, ter esta consciência de que nada fica sem registro nos céus e ninguém gostaria de que o que fez de errado fosse visto por outros, certo?!

Assim, empregadores são senhores e devem lembrar que há o Senhor a observar do alto a forma de trabalho de todos.

Este sentimento de estar sendo monitorado pode ser bom ou ruim. Há pessoas que se intimidam e outras que desejam se mostrar. Ora, se estamos a viver para Deus, não devemos nos preocupar com nada disto.

Importa-se com monitoramento quem não consegue se controlar e tem medo de errar. Se o Espírito nos conduz, não há nada a esconder porque estamos buscando fazer o certo, e não há nada para mostrar porque o próprio Deus nos ajudou a faze-lo! Isto tira de nós toda a pressão do monitoramento.

Assim deveria ser nas empresas e organizações de todo tipo. Se os empregadores estão apoiando as atividades de seus empregados, o monitoramento não é para identificar a falha dos indivíduos, mas para acompanhar a eficiência geral do processo.

Precisamos aprender com o Senhor que nos ama e busca a nossa edificação. Se Deus fosse apenas um cobrador de eficiência espiritual, nenhum de nós adentraria os céus!

Todos estamos em aprendizado, e todos precisamos da graça e da misericórdia. Assim, que esta misericórdia também esteja presente em nossos trabalhos! Isto é bom e Deus se alegrará ao ver isto acontecer!

Se estamos com dificuldade em perdoar e dar outra oportunidade, peçamos a Cristo que nos ajude e oriente. Embora não tenhamos recursos para perder, não está fácil se alguém perder o emprego.

Podemos edificar bons profissionais ou apenas cobrar desempenho. Como queremos ser tratados deve ser a nossa forma de tratar! Estamos semeando para colher!

Contribuir financeiramente para a edificação do Reino de Deus provém da importância que damos a ele!

Assentado diante do gazofilácio, observava Jesus como o povo lançava ali o dinheiro. Ora, muitos ricos depositavam grandes quantias. Vindo, porém, uma viúva pobre, depositou duas pequenas moedas correspondentes a um quadrante.
‭‭Marcos‬ ‭12:41-42‬ ‭ARA‬‬
https://www.bible.com/1608/mrk.12.41-42.ara

O gazofilácio é uma caixa com um buraco na tampa para se colocar o dinheiro trazido para a Casa do Senhor, instituído pelo sacerdote Joiada (2 Reis 12.9).

Até hoje esta prática existe em igrejas, onde se depositam os dízimos e ofertas. O dízimo é a décima parte dos rendimentos de uma pessoa, enquanto a oferta é todo e qualquer valor trazido para auxiliar no suporte da obra de Deus.

O dízimo foi instituído por Abraão (que ainda se chamava Abrão) quando venceu os reis que haviam sequestrado os habitantes de Sodoma, dentre eles o seu sobrinho Ló. Não veio na Lei de Moisés, é muito anterior a isto (Gênesis 14.20).

Por isso se diz que os dízimos não são relativos a uma aliança específica, mas é eterno. No Novo Testamento, quando se fala da igreja em Atos, o comum era entregar todo o dinheiro da venda de casas e terras, não apenas a décima parte.

Assim, o importante é participarmos da edificação do Reino. Quanto maior for a importância dele para nós, maior será o nosso investimento na sua manutenção e expansão.

A obra é de abençoar vidas, com todo o tipo de situações, mas principalmente na construção da fé no coração das pessoas. Porque os pobres acabam recebendo o Reino com mais facilidade? Porque tem necessidades maiores e dependem muito mais da graça de Deus!

A contribuição dos ricos sempre ajudou e ajudará na expansão e manutenção da obra. Entretanto, Deus se importa mais com o resultado desta disposição em nossos corações do que a oferta em si.

Desejar ajudar o Reino é mais importante do que a quantia. Mas sejamos justos. Quem pode dar mais, então contribua mais!

Quem recebeu a atenção de Jesus foi a pobre viúva, pois não levou isto em conta, mas deu tudo o que tinha naquele dia, não apenas o que podia. O tamanho da nossa fé e necessidade ditarão o nosso esforço para com o Reino de Deus!

Que possamos glorificar a Deus nos nossos dias, ajudando a todos a receberem esta palavra abençoada de salvação e santificação que Jesus Cristo trouxe diretamente dos céus para nós!

É preciso que haja recursos para que esta obra não pare. Assim, que cada um faça a sua parte e todos, juntos, comemoremos os resultados que entregaremos diante de Deus!

Jesus é rei ou impostor? Quem acha isto? Nós ou apenas ouvimos falar e concordamos?

Levaram o jumentinho, sobre o qual puseram as suas vestes, e Jesus o montou. E muitos estendiam as suas vestes no caminho, e outros, ramos que haviam cortado dos campos. Tanto os que iam adiante dele como os que vinham depois clamavam: Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor! Bendito o reino que vem, o reino de Davi, nosso pai! Hosana, nas maiores alturas!
‭‭Marcos‬ ‭11:7-10‬ ‭ARA‬‬
https://www.bible.com/1608/mrk.11.7-10.ara

Jesus é aclamado quando estava chegando a Jerusalém já próximo ao tempo da crucificação. Foi chamado de filho do rei Davi, e aquele que traria o reino de Deus!

Mas, muitos que ali estavam criam que ele restauraria o poder aos Judeus, que os livraria dos romanos que controlavam a região inteira. A verdade é que na multidão havia muita confusão de quem era Jesus Cristo!

Na mesma semana Jesus foi traído tanto por Judas Iscariotes como por parte do próprio povo que o aclamou dias antes. Os religiosos manobraram as massas para que eles gritassem que Jesus deveria morrer porque se fez como Filho de Deus e rei dos Judeus.

Ou seja, muitos acompanharam tudo sem saber o que estavam fazendo. Movimentos políticos, e quando a religião é usada para fazer política, trazem grandes perigos na vida das pessoas. Podem facilmente ser usadas como massa de manobra dos que tem interesse em se manter no poder.

Jesus subiu a entrada de Jerusalém chorando, porque sabia que ali não estavam entendendo o Reino de Deus, e que Jerusalém seria destruída porque sempre ignorou os desígnios de Deus!

Nenhuma nação sobreviverá se viver ignorando as instruções divinas. O mal que o homem intenta no coração gerará uma ação inversa de ódio contra si mesmo. A semeadura gera colheita, querendo ou não.

Jerusalém não reconheceu de verdade quem estava adentrando as portas. Aclamaram corretamente, mas só de boca. O coração estava longe ao ponto de poucos dias depois jogarem pedra no mesmo homem em que colocaram ramos debaixo de seus pés.

Precisamos conhecer a Cristo por nós mesmos. Não podemos mata-lo em nossos corações porque alguém de nosso relacionamento íntimo acha assim. Conheçamos a Jesus para podermos dar a devida honra ao Filho de Deus que também é o Cordeiro!

Não percamos a oportunidade por pré-conceito de outras pessoas. Estaremos abrindo mão das promessas de Deus por ignorância nossa.

Que a fé em Jesus Cristo encha e transborde em nossos corações porque ele é bendito, santo e poderoso! Ele nos ama e deu a vida por nós para que o caminho para o Pai fosse reaberto ao homem.

Não sejamos massa de manobra, mas crentes que vivem no conhecimento de Cristo e das obras criadas nele para que alcancemos a entrada da verdadeira Jerusalém celestial. Ali, no grande dia, seremos nós a aclamar Hosana nas maiores alturas!!!

Ajudemos aos missionários, agentes de Deus!

“Até à presente hora, sofremos fome, e sede, e nudez; e somos esbofeteados, e não temos morada certa, e nos afadigamos, trabalhando com as nossas próprias mãos. Quando somos injuriados, bendizemos; quando perseguidos, suportamos; quando caluniados, procuramos conciliação; até agora, temos chegado a ser considerados lixo do mundo, escória de todos.”
‭‭1Coríntios‬ ‭4:11-13‬ ‭ARA‬‬
https://www.bible.com/1608/1co.4.11-13.ara

A vida dos missionários é semelhante a esta descrita por Paulo. Estão em outro local que não o seu de origem, falando de um Deus ignorado pelos que estão lhes ouvindo.

Missionários têm dificuldades em arranjar trabalho em outros países porque sempre está difícil para todos. Muitas vezes são perseguidos porque os ensinos Cristãos mudam o entendimento das pessoas e interfere na sociedade, trazendo perseguição.

Falar que o perdão deve ser dado é loucura em um lugar onde a violência é comum. Dizer que o marido deve amar a mulher a ponto de dar a própria vida por ela, em uma sociedade onde a mulher não tem valor e sofre violências constantes, é gerar um forte movimento contra quem prega estas coisas.

Explicar um Deus que veio a Terra para expor o seu plano de salvação através do seu próprio sacrifício para que todos possam ser salvos é ir contra o desejo da maioria que espera que seu próprio mérito lhe permita adentrar os céus! Isto é loucura para muitos, mas sabedoria de Deus!

Missionários são homens e mulheres abnegados, que doam a própria vida todos os dias para que haja salvação em Cristo onde ninguém a levou ainda. Missionários vivem pela fé em obedecer ao chamado do Senhor, abandonando tudo e todos que conheciam para amar e viver entre os desconhecidos.

A este devemos agradecer pelas nossas vidas, pois através deles a mensagem do Evangelho chegou até nós. Hoje podemos ser mensageiros pela internet sem deixarmos nossas vidas, mas ser missionário é estar presencialmente com as pessoas, apoiando-as de formas que o texto não consegue.

Seja um olhar, um abraço, conhecendo dia-a-dia a rotina das pessoas, os missionários aprendem a nos amar e a orar por cada um de nós. Que o Senhor fortaleça a sua obra, abençoando enormemente os missionários ainda mais neste tempo de falta de empregos e redução dos dízimos e ofertas.

Oremos pelos missionários e não deixemos de suporta-los em ofertas financeiras também, pois estaremos apoiando a obra de Deus quando o mundo mais precisa e eles também! Estão pregando a Jesus Cristo, aquele que morreu e ressuscitou dos mortos e hoje está à direita de Deus, preparando lugar para todos os que crerem morar eternamente nos céus!