Em Cristo temos tudo o que precisamos!

Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim; e quem não toma a sua cruz e vem após mim não é digno de mim. Quem acha a sua vida perdê-la-á; quem, todavia, perde a vida por minha causa achá-la-á.
Mateus 10:37‭-‬39 ARA
https://bible.com/bible/1608/mat.10.37-39.ARA

Por quantos anos muitos de nós buscamos ignorar o evangelho para termos a vida que queríamos porque achávamos que iríamos perder a nossa liberdade se nos entregássemos a Cristo? Só não sabíamos que já éramos escravos do pecado e que Satanás encontrava oportunidade o tempo todo para nos manter cativos neles.

Ao querermos reter nossa “liberdade” acabamos por perdê-la, pois o pecado não dá liberdade a ninguém, muito pelo contrário. Isto é o que Jesus chama de “achar a sua vida”, ou seja, ter o controle dela sem Cristo. Vivemos querendo agradar nossos entes queridos e parentes, mas eles só serão felizes se estiverem em Cristo. Assim também deve ser a nossa vida, centralizada no Senhor!

Perder a vida por causa de Jesus é colocá-lo no centro, no controle de nossas vidas, como modelo a seguir e Senhor da nossa vontade. É viver por seus preceitos, encontrando a paz, o amor e a alegria por agora sermos cuidados pelo Bom Pastor, de termos a herança espiritual dada pelo Pai, sendo conduzidos no Espírito Santo que nos fortalece contra o pecado que se oferece diante de nós.

Antes éramos fracos e cedíamos ao pecado, agora temos a liberdade de dizer não para ele. Até então éramos escravos do pecado, agora só pecaremos se não lutarmos contra nossos desejos. No Espírito Santo ganhamos o livre-arbítrio para servirmos, que significa decidir termos um Senhor. Assim como Cristo veio até nós, decidindo por nos servir, deixando a sua glória junto do Pai.

Tremenda é esta revelação de que perdemos para ganhar, que retendo perderemos e nada será melhor para nossos familiares que nos rendamos à Cristo. No final, só o Senhor é o necessário e plenamente suficiente para termos a verdadeira vida!

Ano 2#275