#3_170 A igreja e a política

Ora, antes disto, Eliasibe, sacerdote, encarregado da câmara da casa do nosso Deus, se tinha aparentado com Tobias; e fizera para este uma câmara grande, onde dantes se depositavam as ofertas de manjares, o incenso, os utensílios e os dízimos dos cereais, do vinho e do azeite, que se ordenaram para os levitas, cantores e porteiros, como também contribuições para os sacerdotes.
Neemias 13:4‭-‬5 ARA
https://bible.com/bible/1608/neh.13.4-5.ARA

Não é de hoje que a influência política encontra guarida no meio religioso. Importa que os destinos da nação estejam alinhados com a vontade de Deus, mas a igreja não pode se tornar uma sala ou quarto para a política.

O que muda a sociedade são corações transformados. Importa que os políticos estejam voltados para os preceitos divinos e as leis assim serão também. Igrejas não se preocupam com a política, mas com os políticos. São homens e mulheres que precisam de Deus e da sabedoria que vem do alto para trazerem paz e estabilidade à sociedade a que servem.

Há que se manter a separação do governo e religião, sob pena da religião ser contaminada pelo que o governo deseja. Tire-se as Escrituras como o fundamento da moral e da ética e perderemos até o senso de justiça. Sem o parâmetro divino imutável estaremos a mercê de leis que são transformadas e adaptadas às autoridades do momento.

E a igreja, quando adentra a política, acaba por se adaptar aos tempos alterando o padrão de Deus para a sociedade. O sacerdote Eliasibe assim o fez, desfazendo toda a aliança que o povo havia feito por meio de Esdras e Neemias ao retornar do cativeiro. E por que? Para se misturar aos interesses políticos do lugar.

Que nossos políticos possam buscar manter-se em comunhão com suas igrejas, recebendo apoio espiritual e sabedoria de Deus e não querendo forçar os interesses políticos aos que já possuem um Senhor que está acima de todas as nações e partidos! Políticos também servem a nação e muitas vezes terão de tomar posição em temas que as Escrituras condenam, mas a nação deseja para si. Que nestas horas respondam como políticos que não arrastem a igreja para as decisões que contrariam a sã doutrina e assumam seus cargos que buscam atender à sociedade.

Que as igrejas tratem os políticos como todo servo de Deus e os admoeste quando seguirem o caminho de Satanás. Não há como servir ao povo que se desvia de Deus como seu pastor. Políticos não são pastores de almas e pastores de almas não são políticos. Há que se romper com a visão errada do pastor político. Ali no governo são autoridades governantes do povo e não pastores de almas para o Senhor.

Quem deseja ser pastor que permaneça na igreja. Quem deseja ser político que não sirva no púlpito da igreja. O governante se submeteu à autoridade humana do governador e da sociedade, devendo seguir as leis e o partido a que se filiou. E estes não necessariamente estão alinhados aos preceitos divinos. Erra quem acredita que conseguirá permanecer ali sem ceder às leis a que se submeteu.

A igreja Cristã é contra o aborto, a corrupção, ao relacionamento sexual de pessoas de mesmo sexo e tudo o que as Escrituras nos dizem ser pecado. A sociedade pode pensar diferente e cabem aos políticos discutir e legislar sobre estes assuntos. Portanto, que em nossas igrejas possamos apoiar os políticos que se alinhem aos preceitos Bíblicos, mas que estes não estejam à frente da igreja. Que oremos por todas as nossas autoridades, para que a vontade da nação se alinhe com a vontade de Deus!