#3_147 Mateus 23:23-24

Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e tendes negligenciado os preceitos mais importantes da Lei: a justiça, a misericórdia e a fé; devíeis, porém, fazer estas coisas, sem omitir aquelas! Guias cegos, que coais o mosquito e engolis o camelo!
Mateus 23:23‭-‬24 ARA
https://bible.com/bible/1608/mat.23.23-24.ARA

Não compreender os fundamentos da fé nos tira do caminho deixado por Cristo. Se não estivermos sendo transformados em pessoas justas, santas e misericordiosas de nada valerá nossas obras para edificação nossa e de outras pessoas. Estamos sempre lembrando que obras só abençoam se feitas pelos preceitos de Deus. Obra para ser visto e adorado por homens não são obras de justiça e nem de misericórdia.

Ao mesmo tempo, quem está se tornando mais santo e misericordioso não deixará de abençoar vidas que estão necessitadas. A motivação certa só é vista por Deus e estaremos julgando uns aos outros se tentarmos classificar pelo que vemos. Nem todo o que professa ser Cristão o é, mas aquele em que o Espírito Santo está se movendo pela fé em Cristo!

Em nossos dias a dificuldade é a mesma dos tempos antigos. Entregar a outros nosso tempo e recursos financeiros por amor é e sempre será o desafio do Cristão. Só conseguimos superá-lo quando olhamos para Cristo que deu tudo de si por nós e ficamos constrangidos a fazer o mesmo. A religiosidade não age assim, mas espera obter algum tipo de vantagem ao ajudar na obra. Seja alcançar uma posição entre os homens e/ou obter favores de Deus.

O Senhor está vendo e computando, separando as motivações e alertando sobre o nosso erro. Consideremos o que o mestre nos ensina e nos arrependamos de nossas estratégias mundanas. Tudo vem de Deus e é para Deus. O que temos é a oportunidade de gerenciarmos o que está em nossas mãos a favor dos que estão à nossa volta. Deus espera que façamos da maneira certa e recompensará o obediente. De resto, alegremo-nos por tamanha graça em poder cooperar com o Reino de Deus. O que passar disso é vaidade e religiosidade!